domingo, 11 de outubro de 2009

Bioconstrução - Sem mistérios!

::

http://1.bp.blogspot.com/_9ziwqNwHXNY/ShtIlAWjM0I/AAAAAAAANNs/Bzp0_OeKD7k/s320/manual.gif
Manual do Arquiteto Descalço
Johan van Lengen
Empório do Livro
2008



bioconstrução
Manual do Arquiteto Descalço

Com linguagem simples e desenhos explicativos, Johan van Lengen ensina a planejar e construir habitações, bairros, banheiro seco, fogão e muito mais – e mostra que técnicas populares antigas chegam ao século XXI apontando caminhos para a sustentabilidade


Em tempos nem tão remotos assim, os povos das zonas mais áridas do planeta sabiam aproveitar materiais locais para levantar casas que se adequavam ao clima, da mesma forma que os habitantes das florestas e das regiões temperadas conheciam técnicas para evitar a entrada de umidade e frio nas moradias. Construir era um saber cultivado entre as famílias e transmitido de geração em geração.

Inúmeras razões alteraram esse cenário em poucas décadas. Para citar algumas: o êxodo rural e a perda da identidade cultural lançaram ao limbo muitas técnicas construtivas tradicionais; o setor da construção civil se estruturou levantando bandeira contra a autoconstrução e tirando proveito da influência no PIB de seus países para ditar as regras do jogo; a falta de planejamento urbano e o intenso adensamento populacional só tornaram o problema ainda mais complexo.

O resultado? Habitações precárias se espalharam por todo o globo, desenhando no skyline a face de um dos maiores desafios atuais da humanidade: combater o gigantesco déficit habitacional. E mais do que isso: a tarefa hercúlea de substituir milhões e milhões de moradias insalubres por outras mais dignas e adequadas às urgências do planeta.

O arquiteto e urbanista Johan van Lengen conhece bem essa história. Holandês, ele passou a maior parte de sua vida na América Latina - até se estabelecer no Brasil e fundar, em 1987, o TIBÁ – Instituto de Tecnologia Intuitiva e Bio-Arquitetura (www.tibarose.com), na serra fluminense. Só no México foram oito anos de trabalho, a convite da ONU, coordenando a capacitação de moradores e agentes públicos em construções sociais e planejamento urbano. Nos países por onde passou, pesquisou a arquitetura das habitações indígenas e diz ter se inspirado, principalmente, na gente do campo e das zonas precárias das grandes cidades que, como ele escreve, sustentam a confiança na possibilidade de melhorar suas condições de vida, por mais que isso pareça impossível.

Neste livro, que é resultado da revisão e ampliação de outras obras do autor (como a homônima publicada pela Secretaria de Assentamentos Humanos e Obras Públicas do México, em 1981), van Lengen reúne uma série de técnicas e materiais usados em construções tradicionais. Mas, ao contrário do que pode parecer, a intenção não é ser saudosista ou fazer apologia à arquitetura vernacular. Nas palavras dele: “Não se trata de induzir as pessoas a construírem suas próprias casas na maneira tradicional. O mundo mudou muito, há escassez de materiais tradicionais de construção e de mão-de-obra com este conhecimento. Diante disto, tal tipo de informação seria uma frustração para o leitor. Trata-se, antes, de responder aos desafios atuais da questão habitacional e apresentar alternativas, aplicando no processo construtivo uma combinação de técnicas tradicionais e modernas”.
Desse convite para um encontro do “velho” com o “novo” vem o nome Manual do Arquiteto Descalço. Na antiguidade, os arquitetos costumavam amassar a terra com os pés para preparar tijolos. Hoje, pouquíssimos profissionais encarariam uma tarefa dessas – talvez uma alusão, por outro lado, de que sem levantar da cadeira será difícil dar um rumo mais sustentável à arquitetura.

Mas não é preciso ser arquiteto ou engenheiro para se ver envolvido pela obra. Ao longo das cerca de 700 páginas, ricamente ilustradas, o leitor mais leigo no tema tem a chance de entender um pouco sobre os critérios que permeiam o trabalho de van Lengen e aparecem distribuídos nos dez capítulos do livro: um bom projeto, integrado ao entorno e adequado ao clima; materiais naturais ou reaproveitados e, sempre que possível, disponíveis localmente; conforto térmico, eficiência energética, uso racional da água e saneamento ecológico.

Se você não conhece nada sobre as técnicas, pode até correr o risco de cair no preconceito do que diz o senso comum, sempre desconfiado das soluções que parecem “atrasadas”, “alternativas” ou mesmo de qualidade duvidosa. Em momento algum o autor se preocupa em mostrar a validade do que apresenta na obra. Mas a simplicidade encantadora – e bem própria dos grandes mestres - com que ele trata cada possibilidade de construção dá credibilidade o bastante para fazer do livro uma espécie de bíblia da bioconstrução.

Não há qualquer purismo em seus ensinamentos. Tanto que, misturados à terra, bambu, madeira, cactos e sisal, ele inclui o uso de materiais contemporâneos e sem nenhuma fama de serem “verdes”, como cimento e gesso. Também não há receitas prontas ou detalhes minuciosos de cada técnica. E é exatamente este o ponto que torna a obra mais intrigante. Para transpor os ensinamentos do papel para o canteiro, é preciso dispor de uma boa dose de intuição e confiança.

Quem estiver aberto para a experiência vai gostar - e muito – da sacudida que o livro costuma provocar nos nossos mais rígidos conceitos. Ao ensinar sobre como montar portas e janelas, construir um telhado verde, um fogão à lenha ou um aquecedor solar e até mesmo a pisar o barro para fazer tijolos, van Lengen compartilha com o leitor a responsabilidade da mudança que precisa ocorrer no mundo, para que todos tenham acesso a uma moradia decente e planetariamente amigável. E vai além: olha para o futuro com uma esperança que poucos ainda conseguem manter com tanta convicção.

Outras tantas informações aqui.


Fonte: Planeta Sustentável

::

Tibá - Tecnologia Intuitiva e Bio-Arquitetura

A TRANSFORMAÇÃO DE UM POMAR EM UMA AGROFLORESTA


28/09/2009 - A equipe do Tibá foi chamada à uma fazenda em Atotonilco, México, para dar uma nova vida a um pomar de dois hectares. Em dez dias realizou-se o começo de um sistema agroflorestal e a capacitação do povo local com a tecnologia brasileira.


- é um lugar de encontros, criado em 1987 por Rose e Johan van Lengen, voltado para a realização de uma consciência ambiental mais plena.

Através da integração entre arte e ciência, intuição e lógica, razão e sentimento, a comunicação será enriquecida. A cada individuo se dá a possibilidade de trocar suas próprias experiências, de fazer parte de um coletivo verdadeiro, usando comunicação e criatividade em grupo.

O TIBÁ se dispõe em toda a extensão de seus programas, atendendo comunidades e organizações, por exemplo, nas áreas de bio-arquitetura, agroecologia e no planejamento de ecovilas. Mantém ainda convênios e intercâmbios com instituições, grupos e pessoas direcionadas para os mesmos fins.

Pesquisamos e desenvolvemos protótipos de moradias saudáveis e de sistemas agroflorestais. Também produzimos materiais didáticos, na forma de cartazes, documentários, jogos, manuais e livros.

Nossa equipe está disponível para realizar palestras, oficinas de trabalho e cursos fora do TIBÁ. Já apresentamos seminários em todo Brasil e outros países da América Latina, Europa e na Índia.

Da mesma forma, estamos abertos para receber outros grupos que estejam procurando um lugar especial e acolhedor para realizar diferentes atividades.

O TIBÁ está situado ao redor de uma praça no meio de uma área coberta pela exuberância da Mata Atlântica, por nós recuperada. Há várias trilhas pela floresta onde se pode ver muitos animais e árvores exóticas, riachos e açudes, pedras e cachoeiras, hortas e pomares sustentáveis.

No idioma tupi, tibá quer dizer :
LUGAR ONDE MUITAS PESSOAS SE ENCONTRAM

O Vale do TIBÁ


Tenha uma visão panorâmica da flora que cerca o vale do TIBÁ.
Clique aqui para lançar a foto Imersiva em 360º

Link

BIO-MALHAÇÃO NO TIBÁ


10/09/2009 - Aqui no TIBÁ estamos em plena bio-malhação. Pisamos muito barro para fazer os adobes que serão utilizados durante o curso de Construção com Terra com o mestre Gernot Minke no qual construiremos um domo de Adobe com cobertura verde

**************************************

Maiores informações dos cursos, aqui.


O TIBÁ oferece diversos cursos de bio-arquitetura e tecnologia intuitiva.

DATAS 2009 e 2010

CURSO DE AGROFLORESTA: 9 a 12 de outubro de 2009
L O T A D O
INSTRUTOR: ERNST GÖTSCH

No curso serão abordadas as técnicas dos princípios do sistema agroflorestal a serem
aplicadas na recuperação de áreas degradadas, criando agroecossistemas parecidos aos
ecossistemas naturais e originais com o cultivo consorciado de plantas anuais, bianuais e
perenes. Criação de florestas compostas por espécies produtoras de cereais, frutas e
produtos florestais, ao longo do manejo do SAF, possibilitando produção a curto, médio e
longo prazo.Também serão abordadas técnicas ecológicas de manejo do solo, como o
reaproveitamento sistemático de matéria orgânica e manejo permanente.

CURSO DE CONSTRUÇÃO COM TERRA: 20 a 25 de outubro de 2009
INSTRUTOR: GERNOT MINKE

(O curso será dado em: espanhol e inglês)

O aluno terá a vivência de construir um domo de adobe com cobertura de teto verde. O curso busca divulgar a importância do uso da terra na construção de edificações. No curso é ensinado como preparar, aplicar e fazer o acabamento de diversas técnicas com terra.

CURSO DE SANEAMENTO ECOLÓGICO: 30 de outubro a 2 de novembro de 2009
INSTRUTORES: JOHAN VAN LENGEN, PETER VAN LENGEN E ROQUE SAENZ

No curso serão abordadas as técnicas do Bason (Sanitário Seco), Filtro Biológico de Água Cinza e Captação de Água de Chuva.

CURSO DE BIO-ARQUITETURA: 13 a 17 de janeiro de 2010
INSTRUTORES: JOHAN VAN LENGEN E PETER VAN LENGEN

No curso serão abordadas todas as técnicas oferecidas pelo TIBÁ; Bambu,
Teto Verde, Cascaje, Bason, Adobe, Permacultura, Criatividade e Alfa/Beta.
O curso explicará o conceito da Bio-arquitetura através da combinação de materiais
tradicionais como bambú ou adobe e materiais modernos como cimento ou plasto.

CURSO DE BAMBU: 28 a 31 de janeiro de 2010
INSTRUTORES: EDOARDO DE ARANHA E FRANCISCO LIMA

"Bambuseiro" é um termo popularmente aplicado a todo indivíduo que se interessa por esse material, o Bambu. Portanto o objetivo do curso de Bambu é transformar seus participantes em Bambuseiros.

CURSO DE GEOMETRIA SAGRADA E NATURAL: 4 a 7 de fevereiro de 2010
INSTRUTORES: ALLAN LOPES PIRES
O design de qualquer coisa, de uma horta a uma construção, de um logotipo a uma jóia, que utiliza estes padrões naturais e universais, naturalmente manifestará nas pessoas esta ressonância, esta identificação, tornando o desenho não apenas esteticamente belo, porém ativamente funcional.

CURSO DE ARQUITETURA INTUITIVA: em breve
Como projetar com o lado direito do cerebro
INSTRUTOR: JOHAN VAN LENGEN

O curso mostra como qualquer pessoa pode estar consciente das ondas cerebrais beta por meio de vários exercícios de lógica, seguidos por oficinas de trabalho onde indicamos o caminho certo para o acesso a sua criatividade natural através das ondas alfa e como aplica-la tanto em sua profissão como arquiteto urbanista e em outras atividades criativas.

CURSO DE TETO VERDE: em breve
INSTRUTORES: JOHAN VAN LENGEN E PETER VAN LENGEN

O curso visa ensinar como se prepara a estrutura de um teto coberto com grama e quais os materiais utilizados. Este tipo de teto tem função térmica, pois mantém um clima confortável nos espaços internos da casa.












SANEAMENTO ECOLÓGICO

Sanitário Seco, Filtro de Água Cinza e Captação de Água de Chuva.
O Bason (sanitário seco) desenvolvido por Johan van Lengen, é um protótipo baseado na tecnologia consagrada em diversos países do mundo, que transforma os dejetos humanos em adubo orgânico. É "seco" porque não utiliza água, e "compostável" pois se vale de um processo bioquímico que, por meio da ação de bactérias e microorganismos, converte os dejetos em composto orgânico fértil e isento de patogênicos. E, principalmente, é "ecológico" por se aproveitar dos ciclos biológicos naturais não tendo como produto o esgoto e, portanto, não contaminando a água.

Água cinza é um termo geral para água proveniente das pias, do chuveiro, da máquina de lavar roupa e do tanque, ou seja, a água que não contém contaminação de esgoto ou fecal. A água cinza uma vez tratada por meio de filtros biológicos poderá ser reutilizada.

A água de chuva que cai no telhado da edificação poderá ser captada, armazenada, e reaproveitada.

No curso aprende-se a fazer as placas da caixa, como montá-las e como instalar os acessórios (assentos, tubos de ventilação e tampas).


AGROFLORESTA

Palavras de Ernst Götsch: "Estou tentando criar, em cada parte do mundo onde intervenho como agricultor, agroecossistemas que sejam parecidos, na sua estrutura e na dinâmica, ao ecossistema natural e original do lugar. Ao mesmo tempo, tento deixar como resultado de todas as minhas intervenções, algo positivo no balanço de vida e de energia complexificada em carbono, tanto no sub-sistema da minha intervenção, quanto no macroorganismo Planeta Terra, do qual somos apenas parte, e não mais importantes do que todas as outras espécies."

Tópicos do curso:
•Princípios de Sistema Agroflorestal dirigidos pela sucessão natural
•Recuperação de áreas degradadas, criando agroecossistemas parecidos aos ecossistemas naturais e originais ao dos locais das nossas intervenções
•Plantio intensivo e diversificado
•Cultivo consorciado das anuais e bianuais como criadores de complexas florestas compostas por espécies frutíferas e florestais
•Planejamento do SAF a curto, médio e longo prazo
•Incorporação de vários estratos (plantas herbáceas, rasteiras, arbustivas e arbóreas de vários portes e estágios)
•Análise de espécies de plantas presentes como indicadoras
•Análise do estágio de sucessão das espécies
•Reaproveitamento sistemático de matéria orgânica
•Plantio direto com sementes e estacas
•Colheita e manejo permanente

O curso será prático, com algumas aulas teóricas.


CONSTRUÇÃO COM TERRA

COM GERNOT MINKE
O aluno terá a vivência de construir um domo de adobe com cobertura de teto verde. O curso busca divulgar a importância do uso da terra na construção de edificações. No curso é ensinado como preparar, aplicar e fazer o acabamento de diversas técnicas com terra.

Conteúdo:
Aulas teóricas

•Arquitetura com Terra ao redor do mundo, na história e na modernidade
•As propriedades da terra como material de construção
•As diferentes técnicas e sua aplicação na construção moderna

Testes em campo para definir as características das diferentes misturas de terra

Práticas
•Preparação de diferentes misturas
•Fazer adobes
•Construção de um domo em adobe
•Rebocos de argila
•Bahareque / pau-a-pique
•Telhado verde

(O curso será dado em: espanhol e inglês)



BAMBU
A Arte em Bambu é voltada para Projetos Arquitetônicos, Paisagismo, Construção Civil, Eco-Design, Peças para Decoração, por ser um material natural altamente renovável está em concordância com projetos ecológicos e de sustentabilidade.
"Bambuseiro" é um termo popularmente aplicado a todo indivíduo que se interessa por esse material, o Bambu. Portanto o objetivo da Oficina de Bambu é transformar seus participantes em Bambuseiros.

Desta forma o curso visa desenvolver o conhecimento do Bambu em suas particularidades, apresentando e respeitando a visão de cada povo e cultura local sobre o Bambu.
Apresenta as diversas formas em que o Bambu é assimilado enquanto elemento de conservação, recuperação ambiental, de sistema energético e elemento construtivo com suas vocações estruturais e de vedações em conjunto com técnicas de terra crua.
Para explorar essas abordagens de forma integrada, o curso propõe unir propriedades técnicas de construção através da arte e educação.

Tópicos do curso:
•O Bambu
•Taxonomia
•Morfologia
•Corte
•Tratamentos
•Secagem
•Plantio
•Possibilidades Construtiv
as
•O bambu e as Estações
•Fertilizantes
•Solos
•Ferramentas
•Equipamentos de Segurança
•Centros de pesquisa
•Bibliografia
•Curiosidades
•Arquitetura e Design


GEOMETRIA SAGRADA E NATURAL

Quando a maioria de nós pensa no movimento das estrelas e dos astros no céu, numa bela porcelana marajoara com seus desenhos intricados, numa sinfonia de Mozart, no Partenon Grego, na planta que cresce em nosso quintal e até mesmo em nosso cartão de crédito, sentimos imediatamente uma espécie de atração, de fascinação, desejo. Poderíamos chamar a isso simpatia, ou ressonância, ou mais simplesmente reconhecimento.
Este reconhecimento vem do fato que todas estas estruturas, embora externalizem formas, aspectos e funções completamente diferentes, estão construídas sobre o mesmo fundamento que erige nossos corpos e que regula nosso ciclo de vida, crescimento, amadurecimento e morte: uma série de proporções geométricas que são a base arquitetônica e funcional de todo o universo, desde as partículas subatômicas até os grupamentos de galáxias mais distantes do cosmo.
O design de qualquer coisa, de uma horta a uma construção, de um logotipo a uma jóia, que utiliza estes padrões naturais e universais, naturalmente manifestará nas pessoas esta ressonância, esta identificação, tornando o desenho não apenas esteticamente belo, porém ativamente funcional.

Conteúdo:
TEORIA:

•Padrões Celestes
•Padrões na Natureza
•Relações Forma – Função
•Ciclos e freqüências
•Número e suas relações
•Seção Áurea, Pi, Série de Fibonacci e outras proporções harmônicas
•Ciclos Estelares e suas medidas geométricas.
•Geometria Sagrada

PRÁTICA GEOMÉTRICA e
CRIAÇÃO DE ESTRUTURAS NATURAIS:

•Estruturação do espaço de acordo com a Geometria Natural
•Base de confecção de projetos
•Espiral Aurea e divisão de espaços segundo a Proporção Aúrea
•Divisão do espaço e de objetos segundo a Geometria Natural
• Criação de diferentes estruturas geométricas
•Vivências de sensações e mudanças fisiológicas causadas por diferentes formas
•Aplicação prática no desenho de casas, jardins e outros espaços
•Análise de desarmonias ambientais causadas por diferentes traçados
•Reconfiguração e equilíbrio de espaços desarmônicos já construídos.


ARQUITETURA INTUITIVA
Para aumentar o nosso potencial criativo é necessário sabermos qual dos dois hemisférios cerebrais está trabalhando - o esquerdo é guiado por estímulos de fora, enquanto o direito recebe estímulos do nosso mundo interno.
Nos processos de planejamento, às vezes é necessário sermos lúcidos e analíticos, assim como em outros momentos torna-se imperativo que sua imaginação aflore. Em outras palavras, passamos do hemisfério esquerdo para o hemisfério direito de nosso cérebro.
O curso de Arquitetura Intuitiva no TIBÁ mostra como qualquer pessoa pode estar consciente das ondas beta por meio de vários exercícios de lógica, seguidos por oficinas de trabalho onde indicamos o caminho certo para o acesso a sua criatividade natural através das ondas alfa e como aplica-la tanto em sua profissão como em outras atividades criativas. Para se ter uma idéia do curso, listamos os seguintes conteúdos:

AULAS DE LÓGICA:
•Introdução ao método Beta
•Matrizes de afinidades
•Preparação de mapas analíticos
•Análise visual: “diagramas de forma”

AULAS DE INTUIÇÃO:
•O uso da respiração na meditação
•Mudar o ritmo das ondas cerebrais
•Eco-imaginação na criatividade
•Exercícios em grupo
•Zonas desconhecidas do cérebro
•Entrar na visão periférica

No último dia do curso, os participantes vão aplicar estas duas maneiras de perceber a realidade nos seus projetos.



TETO VERDE

A cobertura de grama sobre a laje ou o telhado, garante o conforto térmico dos ambientes internos, devido à alta inércia térmica promovida por este tipo de cobertura. Possui ainda a capacidade de reduzir a temperatura local dos centros urbanos; aumentar o conteúdo de oxigênio e umidade do ar; diminuir a poluição sonora; as plantas absorvem pó e poluentes, melhorando a qualidade do ar em toda a área; além de excelente qualidade estética. A água da chuva que cai no telhado da edificação poderá ser captada, armazenada, e reaproveitada.

O curso visa ensinar como se prepara a estrutura de um teto coberto com grama e quais os materiais utilizados. Este tipo de teto tem função térmica, pois mantém um clima confortável nos espaços internos da casa.


ECOVIVENCIA TAI JI CHUAN COM BASTÃO SHAOLIN DE BAMBU
Tai Ji Chuan se traduz literalmente como a “arte marcial da suprema polaridade”, e consiste de um encadeamento de movimentos e posturas executados lentamente e continuamente. A prática regular do Tai Ji Chuan promove um contínuo fluir da energia vital no praticante, e desenvolve o equilíbrio, a coordenação motora, a concentração, e o relaxamento. A sequência curta de Pequim é uma versão abreviada da sequência longa tradicional do estilo Yang. É possivelmente a sequência mais difundida e praticada do Tai Ji Chuan no mundo.

O Bastão Shaolin é o instrumento mais básico das artes marciais internas e externas. Constitui uma extensão do alcance físico, apoio, arma. Carrega em si a simbologia da autoridade, do eixo. A prática do bastão, seja na seqüência solo, em exercícios em dupla ou na meditação na postura, contribui para o desenvolvimento da energia Jing que resulta na interligação elástica e profunda das partes no todo, permitindo um fluir de movimentos harmônicos e integrados. A seqüência de 40 movimentos praticada e ensinada pelo Grupo Totao tem origem no Mosteiro Shaolin e foi adaptada para o Tai Ji, de modo a valorizar a movimentação interna da energia.

•Durante a ecovivencia ensinaremos sobre o manejo e tratamento do Bambu, que será utilizado para criar o Bastão Shaolin que cada participante utilizará.


CASCAJE

São peças pré-moldadas usadas como teto ou laje. As cascajes foram desenvolvidas no TIBÁ e são feitas de plasto e um mínimo de ferro. Por isso, são bem mais baratas que as lajes de concreto armado.

Sua forma, além de ser muito resistente, é também visualmente mais agradável que as lajes. No curso aprende-se a fazer os moldes, preparar a massa de cimento, moldar as cascajes e os detalhes da instalação e impermeabilização.


Share/Save/Bookmark

Nenhum comentário: