quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O desafio de reconstruir a oposição

::


http://1.bp.blogspot.com/_gVjmrNm31tg/RmFsOfbcfQI/AAAAAAAAAmA/_Gi-dGzbyE8/s320/serra.jpg


O desafio de reconstruir a oposição

por Luis Nassif


O modelo político partidário brasileiro está em meio a mudanças radicais, as mais radicais desde meados dos anos 90, quando o PSDB ganhou corpo e elegeu seu primeiro presidente, Fernando Henrique Cardoso.

Depois da redemocratização, a rigor foram dois os partidos com vocação de poder, o PSDB e o PT. E dois agregados, partidos-ônibus sem discurso para assumir a presidência, mas com importância: o PMDB e o DEM.

O PSDB surge de uma costela do PMDB, pretendendo-se menos fisiológico. No governo Collor, quase chega ao poder, depois da crise que culminou com a saída de Zélia Cardoso de Mello. Alguns anos depois, o Real ajudou a eleger Fernando Henrique Cardoso. E o partido ficou oito anos no poder. Nos primeiros quatros anos, impulsionado pelo fogo sagrado de Sérgio Motta. Depois, perdendo gradativamente a vitalidade, à medida que várias lideranças expressivas (Motta, Covas e Montoro) desapareciam e que FHC se enrolava com a falta de garra para governar e com o “apagão” elétrico.

Agora, chega-se a uma situação complicada, em que o partido diminui gradativamente em todo território nacional e vê seu espaço – de centro-esquerda – sendo ocupado por Lula.

Nesse período, o candidato natural a ocupar o espaço de FHC, o governador José Serra, não logrou desenvolver um discurso público. A rigor, não se sabe o que ele pensa sobre políticas sociais, gestão, desenvolvimentismo, diplomacia internacional, educação.

De repente, se chega às vésperas das eleições sem saber qual a plataforma do partido, que ideias são remanescentes dos princípios originais, qual o modo de governar do PSDB. E se vê o partido cada vez mais parecido com o DEM e cada vez mais restrito a São Paulo

O que aconteceu com o PSDB para chegar a esse ponto?

Um dos pontos centrais desse envelhecimento precoce foi a falta de preocupação em criar novos quadros. Em parte devido ao fato do PSDB ter nascido do PMDB, sem ter criado bases sociais mais sólidas. Em grande parte devido ao anacronismo de sucessivas direções, que se estratificaram no poder. Para evitar competição, mataram o aparecimento de novas lideranças.

Tome o caso de São Paulo. Após a geração das diretas – Serra, FHC – que liderança o partido criou? Apenas Geraldo Alckmin que foi muito mais um acidente de percurso, herdando o governo de São Paulo devido ao desaparecimento de Covas.

Jovens prefeitos promissores, lideranças parlamentares, nada sobrou. José Aníbal foi triturado, o ex-prefeito de São José dos Campos, Emanuel Fernandes, nem chegou a acontecer, deputados estaduais bem votados, federais promissores, foram sementes lançadas no deserto, enquanto três ou quatro lideranças envelhecidas recusavam-se a passar o bastão.

Dias desses, o ex-senador Roberto Freire – aliado incondicional de José Serra – declarou que o partido precisaria abjurar a política econômica de FHC. Sem dúvida. Só que nenhuma ideia nova apareceu, nenhuma liderança nova surgiu. Os ecos do interior não chegaram à cúpula do partido. Haverá uma longa luta de reconstrução de ideias e projetos. Mas com quem?



http://4.bp.blogspot.com/_W-9y5gQILl0/R0rLQNHDG6I/AAAAAAAAA2s/2APn2T-Wb2Q/s400/bessinha.jpg


Fonte: Luis Nassif Online

::


Share/Save/Bookmark

Nenhum comentário: